Pior resultado das demonstrações financeiras consolidadas do país em um mês desde 2021 – quando foi apurado déficit de R$ 65,508 bilhões – o setor público consolidado (que inclui governo central, estados, municípios e estatais) apurou déficit primário de R$ 48,889 bilhões em junho último, ante superávit de R$ 14,4 bilhões apresentado no mesmo mês do ano passado e ligeiramente superior ao saldo negativo de R$ 50,172 bilhões, registrado em maio.

Publicidade

Veja também

Publicidade

Segundo o estudo ‘Estatísticas Fiscais’ divulgado nesta sexta-feira (28) pelo Banco Central (BC), o governo central registrou déficit (R$ 46,5 bilhões); governos regionais (R$ 927 milhões) e empresas estatais (R$ 1,5 bilhão).

Publicidade

Nos últimos 12 meses, o setor público consolidado registrou déficit de R$ 24,3 bilhões (0,24% do PIB) e superávit de R$ 39,0 bilhões (0,38% do PIB) nos 12 meses encerrados em maio. .

O déficit primário consolidado do mês passado ficou aquém do déficit médio de R$ 44,4 bilhões apresentado pela pesquisa da Projeções Broadcast, na qual o intervalo de estimativas de déficit feitas por analistas financeiros variou de R$ 40,500 bilhões a R$ 51,600 bilhões.

Já a parcela nominal do setor público consolidado, alocada pelo regime de competência, foi de R$ 40,7 bilhões no mês passado, ante o montante de R$ 98,2 bilhões verificado em junho de 2022, devido ao lucro de R$ 20,5 bilhões. com operações de swap cambial e perdas de R$ 39,9 bilhões nos períodos indicados.

No acumulado de 12 meses, os juros nominais atingiram R$ 638,1 bilhões (6,18% do PIB) em junho de 2023, enquanto na mesma comparação no mesmo mês de 2022 esse montante atingiu R$ 588,6 bilhões (6,29% do PIB).

Se considerarmos o resultado nominal do setor público consolidado (que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados), houve déficit de R$ 89,6 bilhões em junho passado, enquanto o acumulado em 12 meses apresentou déficit nominal de R$ 662,4. bilhões (6,42% do PIB), o que representa um aumento de 0,03 ponto percentual (p.b.) do PIB em relação ao déficit acumulado até maio.

Fonte: capitalist