Com a nova modalidade, o Itaú irá possibilitar que os pagamentos por pix sejam feitos até mesmo sem o uso da internet.

Publicidade

Leia mais: Pagamento de abril é liberado a aposentados e pensionistas que possuem cartão final 6

Publicidade

O Itaú está testando uma nova ferramenta que permite criar Pix sem conexão com a internet. Com a nova solução em estudo, o pagamento seria aproximado através do telemóvel que o utilizador tivesse previamente ativado.

Publicidade

O objetivo da medida é atender principalmente os cerca de 20% da população que usa o Pix e tem problemas para se conectar à internet. Por conta disso, fica difícil realizar transações por essa modalidade já que atualmente é necessário internet para fazer o Pix.

O projeto irá assim utilizar a tecnologia NFC, já incluída na maioria dos smartphones atuais, permitindo o pagamento por aproximações. “Nosso objetivo é alavancar o uso do Pix por meio de NFC e proporcionar maior alcance por meio de pagamentos offline para novos públicos ou determinadas regiões”, afirma Bianca de Oliveira Santos, coordenadora de Relações Regulatórias e Inovação do Itaú.

Como o Pix Offline irá funcionar?

Para acessar o pix offline, o usuário deve ter um aparelho conectado à internet para ativar o recurso. Após a liberação, o procedimento será feito pelo próprio aplicativo do banco, que também não precisará de internet para liberar o pagamento. Assim, bastaria tocar no celular do destinatário e usar a própria biometria do aparelho para verificar a operação.

No entanto, caso o destinatário não tivesse um celular com NFC, o pagador teria a opção de criar um QRCode off-line para concluir a transação. Nesse caso, a empresa teria que gerar um QRCode para aceitar o pagamento do cliente.

Embora a tecnologia esteja sendo desenvolvida pelo Itaú, o recurso pode ser absorvido pelo banco central e disponibilizado para outras instituições no futuro. Porém, ainda será necessário discutir a padronização da criptografia a ser utilizada na comunicação para garantir a proteção dos dados.

Além disso, também será necessário fazer possíveis ajustes regulatórios para adotar a novidade. Por isso, a expectativa é que o novo recurso demore um pouco para se tornar parte da rotina dos usuários do Pixu.

Fonte: Edital Concursosbrasil