BEBÊS E TV 

Bebês têm uma grande necessidade de interação. Isso é o que permite um desenvolvimento saudável. Como as cores, movimentos animados e sons da televisão capturam facilmente a atenção dos bebês, muitas vezes os pais (ou mesmo educadores em berçários – cerca de 73% das crianças assistem TV no jardim de infância, segundo Deco) os usam como “babás”.

Um bebê exposto a muita televisão pode ter dificuldade:

  • Sinta-se seguro jogando sozinho, exigindo atenção constante e exigindo ser entretido continuamente – porque você não aprendeu a se entreter;
  • Desenvolver realizações físicas específicas da idade sem se sentir frustrado em pouco tempo, apresentando dificuldades para persistir em uma tarefa até que você possa obter resultados;
  • Satisfazer-se com um único brinquedo tendia a ser brinquedos em constante mudança, explorando-os apenas superficialmente.

A televisão é uma excelente fonte de entretenimento, no entanto, é essencial que as crianças possam, a partir de bebês, desenvolver a capacidade de se entreter. Esta é uma variável que influencia diretamente o sono. Um bebê que não sabe ser progressivamente mais longo períodos entretidos por você, sentindo-se seguro, terá muito mais dificuldade em dormir de forma autônoma.

Algumas recomendações no uso da televisão:

  • Os bebês não devem ser expostos à televisão (regularmente) antes dos dois anos de idade. Nunca antes do primeiro ano, e antes de dois, apenas períodos mínimos (máximo de dez minutos) e com imagens bem definidas, com as cores primárias, e com elementos que o bebê conhece em sua casa ou em seu ambiente.
  • A criança não deve ver mais de uma (duas) horas diárias e de preferência pela manhã – ficar neste momento também inclui tablets, computadores e consoles. Os pais devem claramente impor esses limites e sugerir alternativas (entusiasticamente) (ler ou assistir a um livro, desenhar, brincar sozinho ou com os pais, brincar na rua, praticar esportes, etc.).
  • Os pais não devem usar a TV como uma maneira de entreter o bebê ou substituir a interação.
  • A TV não deve ser usada para distrair o bebê enquanto chora, pois o priva de treinar os mecanismos necessários para saber se acalmar sozinho.
  • As refeições não devem ser acompanhadas pela TV. É essencial que os pais conversem com seus filhos. Deixe os experimentos mudarem, deixe o dia ser dito. Bebês jovens também não devem assistir TV na hora da refeição como uma distração.
  • Adaptar programas à idade da criança e escolher preferencialmente programas que estejam vinculados à participação (e não à passividade).
  • Os pais devem servir de modelo para seus filhos, também selecionando cuidadosamente os programas que assistem.
  • A TV não deve ligar como “ruído de fundo” quando os bebês estão na sala.
  • As crianças não devem ter uma televisão na sala. A TV deve estar na sala de estar ou em um espaço comum. É natural que entre os irmãos haja “guerras” para a posse do comando, que é uma boa oportunidade para aprender a negociar e fazer compromissos.
  • Os pais devem assistir TV com seus filhos (é ideal para os pais assistirem o programa com antecedência), pois as crianças precisam de ajuda para entender certos conteúdos de TV (em particular ajuda a distinguir fato da ficção). Os pais devem esclarecer dúvidas e ajudar a interpretar e incentivar o pensamento crítico.
  • Você não deve assistir TV antes de ir dormir, como um veículo para se acalmar. A televisão é uma fonte de estimulação e distração, relacionada à atividade e não algo ajustado para dormir. É claro que você pode ver um bebê se acalmar enquanto assiste TV, mas focando na TV você está se distraindo da coisa mais importante, que é aprender a se acalmar de forma autônoma reduzindo estímulos.

Você não pode dizer que a televisão é boa ou ruim, depende do uso que é dado. Pode ser uma fonte de estímulo e aprendizado, desde que seja oferecido desde o momento certo, com o conteúdo certo e na “quantidade” certa. Os programas infantis devem ser cuidadosamente selecionados pelos pais, pedagógicos e adequados à idade da criança. Existem canais programáticos variados para as crianças e cabe aos pais escolher o melhor de cada um. No entanto, é importante proteger as crianças do passivismo daqueles que são apenas “destinatários de informações”.

Para um desenvolvimento saudável é essencial saber como criar, inventar (jogar!), como ser capaz de articular mecanismos internos e externos para se manter entretido e calmo. Portanto, devemos proteger os bebês de entretenimento hiperestiminante e indiscutível, e ensinar as crianças a serem criteriosas e exigentes consumidores e a ter uma relação saudável com a televisão.

[Total: 0 Votos: 0]

Deixe um comentário